Experimentação e autoralidade nos quadrinhos comerciais: uma análise semiótica da obra astística de Carl Barks

Apesar de trabalhar para editoras comerciais e de não ter seu nome creditado nas histórias em quadrinhos que criava, o quadrinista estadunidense Carl Barks consolidou uma obra pessoal em 25 anos de carreira. Este artigo resulta de pesquisa sobre a autoralidade desse artista e as inovações presentes em seu trabalho. A análise semiótica foi utilizada para compreender os quadrinhos que Barks produziu, tendo como objeto os elementos icônicos de suas narrativas gráficas sequenciais.

Revista Comunicação e Inovação (2014)

1.PNG

Autores

Roberto Elísio

João Batista Freitas Cardoso